Com aquisição, Magalu vai reforçar suas entregas em menos de 1 hora, que já são feitas a partir de 140 lojas de 30 cidades. Objetivo é estar em todas as capitais em 2021. A startup de Recife conta com mil entregadores e realiza mais de 2 milhões de entregas anualmente

Em sua 22ª aquisição em um ano e meio, o Magazine Luiza está comprando a Sode (Soldados de Entrega), uma plataforma de logística urbana, com o objetivo de acelerar as suas entregas ultrarrápidas, aquelas que são feitas em menos de um hora.

A transação, cujo valor não foi revelado, vai acrescentar à operação logística do Magazine Luiza 1 mil entregadores ativos, em oito Estados e que realizam atualmente 2 milhões de entregas anualmente. O grande atrativo para o Magazine Luiza, no entanto, foi o sistema de gerenciamento, roteirização e acompanhamento de entregas da Sode.

“Estamos montando um operador logístico, não só para fortalecer as entregas do Magalu e dos clientes do marketplace, mas também para parceiros externos”, diz Luís Fernando Kfouri, diretor de operações logísticas do Magazine Luiza, em entrevista ao NeoFeed.

A Sode já é parceira do Magazine Luiza na modalidade conhecida como “ship from store”, em que as entregas são feitas a partir da loja ao consumidor que comprou pela internet em até 1 hora. Essa modalidade já está presente hoje em 140 lojas do Magazine Luiza em 30 cidades.

De acordo com  Kfouri, o objetivo é estar em todas as capitais com essa modalidade de entrega ultrarrápida neste ano. Sem dar dados precisos da entrega, o executivo diz que nas lojas em que esse serviço foi implementado, ele representa de 70% a 80% das vendas da lojas.

A Sode foi fundada em 2015, em Recife, pelos empreendedores Carlos Andre Montenegro e Mario Reis Bezerra Junior. Ela atua em São Paulo, Fortaleza, João Pessoa, Recife, Maceió, Salvador, Teresina e Aracaju, Ribeirão Preto e Campina Grande. Com a aquisição pelo Magazine Luiza, o número será expandido rapidamente, segundo Kfouri.

Em breve, a Sode deverá também fazer entregas ultrarrápidas para os sellers do marketplace (3P) do Magazine Luiza, com a entrega a partir da loja. A Sode deve entrar também em outras categorias, como refeições e itens de supermercado.

Nessa área, o Magazine Luiza já fez quatro aquisições, mostrando apetite para competir contra iFood e Rappi. A primeira delas, em setembro do ano passado, foi o aplicativo AiQFome. Em março, adquiriu mais dois aplicativos de delivery: o app ToNoLucro e a plataforma GrandChef (gestão de restaurantes). Em junho, foi a vez da Plus Delivery, baseada no Espírito Santo.

“Colocamos o delivery de alimentos e produtos de supermercado em nossos principais drivers de crescimento para o futuro. O principal racional estratégico da iniciativa é o aumento da frequência de compra no nosso super app”, afirmou Frederico Trajano, CEO do Magazine Luiza.

A companhia também reforçou o seu sistema logístico com as aquisições da Logbee, em 2018, e da transportadora GFL, em outubro do ano passado. Na mesma ocasião, o Magazine Luiza adquiriu a plataforma de tecnologia SincLog, utilizada pela GFL. Com a Sode, a varejista acrescenta motoboys a essa malha logística.

A transação da Sode acontece em meio a uma disputa entre os principais varejistas online para fazer entregas cada vez mais rápidas. A briga chegou inclusive ao Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) no mês passado.

O Magazine Luiza e o Mercado Livre recorreram ao órgão para saber quem teria a entrega mais rápida do Brasil. O Magazine Luiza ganhou esse primeiro round. Mas o Mercado Livre irá recorrer da decisão.

Os rivais do Magazine Luiza estão também trabalhando para fazer entregas cada vez mais rápidas. O Universo Americanas, que conta com a plataforma logística Let’s, fez 44% das entregas em até 24 horas. Hoje, 14% dos pedidos são entregues em até 3 horas, segundo balanço de primeiro trimestre.

Via (ex-Via Varejo), dona das marcas Casas Bahia e Ponto, já faz 42% das entregas em 24 horas. Em dois dias, 65%.

Nesta batalha, o Magazine Luiza acaba de captar quase R$ 4 bilhões, em um follow on que será usado para financiar a compra da plataforma de e-commerce de games e tecnologia KaBuM!, o maior negócio da história da rede varejista da família Trajano – a transação era estimada em R$ 3,8 bilhões, com parte em dinheiro e outra em ações.

Os recursos da oferta também serão usados para a expansão do Magalu em novos mercados, investimentos em logística, com abertura de novos centros e hubs de distribuição, e o pagamento de aquisições estratégicas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Leia também

China proíbe menores de 18 anos de jogar videogame por mais de 3h semanais.

Jovens chineses só podem jogar aos finais de semana e feriados, entre 20h e 21h, e precisa…