Na noite desta quarta-feira (14), o CEO do Twitter, Jack Dorsey, defendeu o  bloqueio da conta do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump na rede social. Contudo, ele disse que isso estabelece um precedente “perigoso” e representa um fracasso em promover uma conversa saudável na plataforma.

Veja a declaração de Jack Dorsey no Twitter:

“Eu não comemoro nem sinto orgulho por termos que banir Donald Trump do Twitter, ou como chegamos aqui. Após um aviso claro de que tomaríamos essa ação, tomamos uma decisão com as melhores informações que tínhamos com base nas ameaças à segurança física dentro e fora do Twitter. Isso foi correto?

Acredito que essa foi a decisão certa para o Twitter. Enfrentamos uma circunstância extraordinária e insustentável, que nos obrigou a concentrar todas as nossas ações na segurança pública. Os danos off-line resultantes da fala on-line são comprovadamente reais e o que impulsiona nossa política e aplicação acima de tudo.

Dito isso, ter que banir uma conta tem ramificações reais e significativas. Embora haja exceções claras e óbvias, acho que a proibição é uma falha nossa em promover uma conversa saudável. E um momento para refletirmos sobre nossas operações e o ambiente ao nosso redor.

Ter que realizar essas ações fragmenta a conversa pública. Eles nos dividem. Eles limitam o potencial de esclarecimento, redenção e aprendizado. E abre um precedente que considero perigoso: o poder que um indivíduo ou empresa tem sobre uma parte das conversas públicas globais.

A verificação e a responsabilidade sobre esse poder sempre foi o fato de que um serviço como o Twitter é uma pequena parte da grande conversa pública que acontece na Internet. Se as pessoas não concordarem com nossas regras e aplicação, elas podem simplesmente procurar outro serviço de Internet.

Este conceito foi desafiado na semana passada, quando vários fornecedores de ferramentas de Internet fundamentais também decidiram não hospedar o que consideraram perigoso. Não acredito que isso tenha sido coordenado. Mais provavelmente: as empresas tiraram suas próprias conclusões ou foram encorajadas pelas ações de outros.

Este momento pode exigir essa dinâmica, mas, a longo prazo, será destrutivo para o nobre propósito e os ideais da Internet aberta. Uma empresa que toma a decisão de se moderar é diferente de um governo que remove o acesso, mas pode sentir o mesmo.

Sim, todos nós precisamos examinar criticamente as inconsistências de nossa política e aplicação. Sim, precisamos ver como nosso serviço pode incentivar distrações e danos. Sim, precisamos de mais transparência em nossas operações de moderação. Tudo isso não pode corroer uma Internet global livre e aberta.

“Acredito que a internet e as conversas públicas globais são nosso melhor e mais relevante método de conseguir isso. Também reconheço que não parece assim hoje. Tudo o que aprendemos neste momento vai melhorar nosso esforço e nos impulsionar para ser o que somos: uma humanidade trabalhando junta”.

Fonte: gazetabrasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Leia também

Banda larga pode aumentar de preço devido a processo da PGR

Operadoras afirmam que internet ficará mais cara se STF derrubar direito de passagem gratu…