O Grupo SBF — controlador da Centauro — concluiu a compra da operação da Nike no Brasil pagando R$ 1,032 bilhão, em linha com o valor originalmente acordado apesar do meltdown do câmbio desde fevereiro, quando o negócio foi anunciado.

Há dez meses, o valor estimado era de R$ 900 milhões. A SBF está comprando os estoques da empresa no Brasil, 24 lojas Nike Factory e a operação de ecommerce.

Com a desvalorização cambial que se seguiu, alguns analistas chegaram a supor que a SBF precisaria de um desconto no valor nominal — afinal, o câmbio mais fraco encarece os Jordans e aperta as margens da operação. Já outros acreditavam que, como o estoque da Nike é dolarizado, a SBF teria que pagar um preço substancialmente mais alto para fechar o negócio.

Pedro Zemel, presidente do grupo SBF

Agora, os investidores vão monitorar de perto os comentários do management sobre a transação em busca de sinais de que a SBF conseguiu uma negociação que mantenha os produtos da Nike acessíveis ao brasileiro mesmo com o dólar acima de R$ 5. É possível que, na negociação do preço final, a SBF tenha obtido descontos maiores nos próximos anos, ou permissão para um markup maior. Também desconhecido é o nível atual dos estoques — que compõem a maior parte do preço.

Com a transação, a SBF passa a ser a distribuidora exclusiva da Nike no Brasil por um período de dez anos, podendo abrir e operar lojas da marca no País, onde a Nike vende para cerca de 4.000 varejistas.

O CEO Pedro Zemel disse ao Brazil Journal que a SBF buscará construir ou adquirir novas verticais — “marcas, varejo ou conteúdo” — para complementar seu ecossistema de esportes.

A partir de hoje, a SBF está se mudando para o Birmann 21, mais conhecido por abrigar a sede da Editora Abril, na Marginal Pinheiros. Dos três andares alugados, dois serão ocupados pelo time de tecnologia, e a empresa está contratando a rodo.

A ideia é alavancar o ecommerce da Nike, que antes da pandemia respondia por cerca de 10% das vendas da marca no Brasil. Para efeito de comparação, em países como Reino Unido e Alemanha, as vendas online chegavam a 30% das vendas totais no pré-covid.

A tese central por trás da aquisição é que a operação online usará o parque de lojas da Centauro como um diferencial logístico, permitindo que o cliente compre online e pegue na loja, ou que a Centauro despache a mercadoria direto de suas 208 lojas. “Um ativo faz o outro valer mais,” diz Zemel.

A margem bruta da Nike.com é bem maior do que nas lojas físicas, porque o site vende a preço de varejo com custo de fábrica. Assim, à medida em que a Nike.com cresce, a margem bruta da operação como um todo tende a aumentar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Leia também

Beeper promete unir WhatsApp, Telegram e mais apps em um só

Por US$ 10 mensais, Beeper se propõe a fazer uma ponte para centralizar contas de 15 aplic…