Técnica pretende identificar a origem do conteúdo vazado por meio de dados possivelmente invisíveis que remetam ao assinante

Amazon pretende dificultar a vida de quem faz pirataria de serviços de streaming. Recentemente, a empresa patenteou um método para adicionar as informações de identificação do usuário ao conteúdo assistido por ele – de forma visível ou não. Desse modo, a companhia pode detectar mais facilmente de onde seus filmes, séries e programas de TV foram vazados.

Amazon Prime

A técnica, patenteada como “codificação de identificadores em dados de manifesto personalizados” deve implementar uma espécie de marca d’água com um ID exclusivo para cada assinante.

Identificação do usuário pode ser imperceptível

Ao reproduzir um conteúdo, a tecnologia deverá gerar dados de manifesto personalizados (isto é, um arquivo com informações essenciais sobre o conteúdo) com base no identificador do assinante em questão – informações que serão lidas pelo reprodutor e decodificadas pelo servidor de mídia.

Caso o assinante grave o vídeo com uma câmera, por exemplo, o conteúdo ainda terá um padrão de informações de identificação em pelo menos alguns de seus fragmentos, que remetem ao assinante original.Patente da Amazon mostra técnica antipirataria (Imagem: Reprodução)

Patente da Amazon mostra técnica antipirataria (Imagem: Reprodução)

A patente deixa claro que o código pode ser visível para o usuário ou pode ser imperceptível, o que tende a dificultar a sua remoção. “Isso não apenas torna mais difícil para os piratas de conteúdo detectar, alterar, remover ou derrotar a sobreposição, mas também garante que a qualidade do conteúdo de vídeo marcado com um identificador de versão não seja significativamente degradada”, explica a Amazon.

Ao adicionar o identificador ao arquivo de manifesto, a solução da Amazon pretende tornar mais fácil a aplicação da técnica individualmente. Além disso, para além do nome do assinante, o método também permitiria rastrear geograficamente piratas que replicam o sinal de transmissões ao vivo, como o Super Bowl.

A Amazon não deixou claro se a tecnologia já está em uso em sua plataforma de streaming. Portanto, resta aguardar os desdobramentos para saber se a prática será eficaz para conter a pirataria (e se outras empresas ou instituições pretendem adotá-la).

Fonte: tecnoblog.net via Torrent Freak

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Leia também

Telegram ganha ferramenta para importar conversas do WhatsApp

Telegram libera nova ferramenta que importa conversas do WhatsApp, sejam elas de texto ou …