Mesmo com o crescente boicote à publicidade na rede social por mais de 400 empresas, o CEO da plataforma disse aos funcionários que não mudará políticas por causa de uma ameaça à receita da empresa

O crescente boicote de empresas aos anúncios vinculados no Facebook parece não ter intimidado Mark Zuckerberg. O CEO da rede social reluta em tornar mais rígidas as políticas de controle de discursos de ódio na plataforma. 

Em uma reunião realizada na última sexta-feira (3), Zuckerberg disse aos funcionários que espera que “todos esses anunciantes voltarão à plataforma em breve”, de acordo com uma transcrição obtida pelo site The Information.

No início do mês, executivos do Facebook afirmaram que se reuniriam com anunciantes e que Zuckerberg planejava conversar com os organizadores do boicote. No entanto, a declaração dada por ele na última reunião parece mudar os rumos desta possível conversa.

“Não vamos mudar nossas políticas ou abordar nada por causa de uma ameaça a uma pequena porcentagem de nossa receita ou a qualquer porcentagem de nossa receita”, declarou Zuckerberg.Reprodução

Segundo o Facebook, mudanças de política são baseadas em princípios, não em pressões na receita. Foto: Reprodução

Um dia antes, um porta-voz do Facebook comentou que “estamos fazendo progresso real mantendo o discurso de ódio fora da nossa plataforma e não nos beneficiamos com esse tipo de conteúdo”, acrescentando que fazem mudanças de política baseadas em princípios, não em pressões na receita.

Como começou o boicote?

O boicote de anunciantes da rede social começou em junho, na esteira das manifestações por justiça racial nos Estados Unidos, após o assassinato de George Floyd em uma abordagem policial por um oficial branco. 

Chamada de “Stop Hate for Profit” (“Chega de ódio pelo lucro”), a campanha conta com a participação de mais de 400 empresas forçando o Facebook a adotar políticas mais rígidas de controle de discursos de ódio. 

Reprodução

Manifestação nos EUA pela morte de George Floyd. Foto: Reprodução

Adidas, Coca-Cola, Ford, Honda, Levi’s e Microsoft são algumas das centenas de companhias participantes. A marca PlayStation, da Sony, foi a mais recente adição ao boicote.

Segundo os organizadores, que incluem a Anti-Defamation League e Color of Change, o Facebook “permitiu a incitação de violência contra manifestantes” e deu status respeitável a sites de notícias de qualidade duvidosa com envolvimento com supremacistas brancos. A rede social também já tinha sido amplamente criticada por não agir contra um post de Donald Trump falando sobre violência contra manifestantes.

Fonte: https://olhardigital.com.br/noticia/relutante-zuckerberg-afirma-que-anunciantes-voltarao-ao-facebook-em-breve/103097 Via: Cnet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Leia também

Piloto consegue pousar avião partido ao meio em Denver, nos EUA

Um piloto conseguiu uma façanha digna de filmes de ação na última quarta-feira (12). Ainda…