Para conter crescimento do rival chinês, Facebook quer convencer alguns dos usuários mais populares a produzirem conteúdo para suas plataformas

O TikTok vem sendo considerado uma ameaça em partes por estar em meio a uma tensão entre Estados Unidos e China, mas também por representar um risco para o Facebook e o Instagram, podendo roubar usuários das duas redes sociais e prejudicar os negócios da empresa. Para garantir que isso não aconteça, o Facebook começou a recrutar alguns dos principais produtores de conteúdo do TikTok com “ofertas lucrativas” para eles mudarem de lado, de acordo com o Wall Street Journal.

O Facebook vem há algum tempo tentando conter o crescimento do TikTok. Recentemente, a empresa incluiu a função Reels no Instagram que faz basicamente a mesma coisa que o app criado na China. O TikTok reagiu anunciando um fundo de US$ 200 milhões para manter pessoas na sua plataforma, oferecendo pagamentos para maiores de 18 anos que produzem vídeos curtos com frequência.

A empresa de Mark Zuckerberg decidiu seguir um caminho parecido. De acordo com o Wall Street Journal, o Facebook vem conversando com alguns dos usuários mais populares do TikTok para que ou eles virem criadores exclusivos do Facebook e Instagram, ou que ao menos passem a postar vídeos curtos no Reels antes de outras plataformas.

Reprodução
Reels é um recurso do Instagram criado para competir com o TikTok. Imagem: Divulgação

Ao conversar com produtores de conteúdo, o Facebook tenta usar a vantagem política que tem em relação ao TikTok para convertê-los. Isso porque a rede social não sofre da mesma resistência do concorrente, que pertence a um grupo chinês em uma época em que os Estados Unidos acusam constantemente o governo chinês de usar empresas de tecnologia – como a Huawei – para espionagem.

Algumas empresas dos Estados Unidos estão inclusive pedindo para seus funcionários removerem o TikTok de seus celulares. Esse é um dos trunfos do Facebook: como oito dos 10 maiores criadores de conteúdo do TikTok estão nos EUA, a rede social oferece dinheiro e lembra que, na sua plataforma, eles não correm risco de perder seguidores que questionam práticas do governo chinês.

Contratos de exclusividade com produtores de conteúdo populares estão se tornando comuns no mundo das redes sociais. No ano passado, a Microsoft contratou o streamer Ninja para o seu Mixer com o objetivo de expandir o alcance da sua plataforma e bater de frente com o Twitch. Aparentemente, o resultado não foi dos melhores – o Mixer deixou de funcionar no dia 22 de julho.

Posicionamento do Facebook

Em nota enviada ao Olhar Digital, o Facebook afirma: “Temos uma longa história de contato com criadores emergentes e de trabalho para lançar novas vozes no Instagram. Como nos produtos anteriores, continuamos comprometidos em investir em nossos criadores e na experiência geral e, em certos casos, podemos ajudar a cobrir os custos de produção de suas ideias”.

Fonte: olhardigital via: Wall Street Journal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Verifique também

Apple compra empresa para iPhone virar maquininha de cartão

Apple compra Mobeewave por US$ 100 milhões; startup possui tecnologia que transforma celul…