Mike Pompeo afirmou em entrevista a rede de TV americana que governo estuda possibilidade de proibir o aplicativo, que pertence à empresa chinesa ByteDance.

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, afirmou que o país está considerando banir aplicativos de redes sociais chinesas no país, incluindo o TikTok.

A possibilidade foi mencionada pelo secretário durante entrevista à rede Fox News. “Com todo respeito aos aplicativos chineses nos celulares das pessoas, eu posso garantir que nós vamos tomar a decisão acertada”, afirmou Pompeo, responsável pela diplomacia americana.

“Não quero passar na frente do presidente [Donald Trump], mas é algo que estamos considerando”. Pompeo chegou a afirmar que as pessoas só devem baixar o aplicativo “se quiserem suas informações pessoais nas mãos do Partido Comunista Chinês.”

O aplicativo pertence à chinesa ByteDance, mas já afirmou anteriormente que opera de maneira separada e que suas centrais de dados ficam localizadas fora da China, não estando submetidas às leis chinesas.

“O TikTok é liderado por um CEO americano, com centenas de funcionários e líderes-chave em segurança, produtos e políticas públicas nos EUA. Não temos outra prioridade senão promover uma experiência de aplicativo segura e confiável para nossos usuários. Nunca fornecemos dados dos usuários ao governo chinês e nem o faríamos se solicitado”, disse um porta-voz do TikTok, em nota enviada ao G1.

O TikTok tem registrado um pico de downloads e audiência, se tornando um dos app bastante popular nos últimos anos, inclusive nos EUA. O modelo de publicação de vídeos curtos, bem editados, popularizado pelo app inclusive está sendo copiado pelo Instagram.

Na semana passada, a Índia já havia proibido o TikTok e outros 58 aplicativos chineses de operar no país. Em nota, o app afirmou que, apesar da ordem do governo indiano, a equipe da ByteDance, empresa dona do aplicativo, está trabalhando com o governo na Índia para demonstrar “dedicação à segurança do usuário” e “compromisso com o país”

Em carta ao governo indiano datada de 28 de junho e vista pela agência Reuters na última sexta-feira(3), o presidente-executivo da TikTok, Kevin Mayer, disse que o governo chinês nunca pediu dados de usuários e que a empresa não os entregará se solicitada.

Segundo o governo do país, os aplicativos são “prejudiciais à soberania, integridade e defesa da Índia, segurança do Estado e ordem pública”. A proibição aconteceu depois de um conflito na fronteira entre os Índia e China no início deste mês, no qual 20 militares indianos morreram.

Fonte: g1.globo.com/economia/tecnologia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Leia também

Piloto consegue pousar avião partido ao meio em Denver, nos EUA

Um piloto conseguiu uma façanha digna de filmes de ação na última quarta-feira (12). Ainda…