Com tecnologia, serviço que hoje é entregue a cabo, acabaria substituído pela internet via celular

O governo pretende leiloar as frequências da rede 5G entre os provedores de Internet móvel até meados de 2020. Segundo o presidente da Anatel, Leonardo Morais, a ideia era realizar a distribuição em março do ano que vem, porém a data foi adiada devido às dificuldades técnicas e chances de interferência da nova rede em sinais de antenas parabólicas.

O adiamento não configura, necessariamente, um problema para as gigantes de telecomunicações brasileiras, muito pelo contrário, agora elas tentam ganhar tempo – a tecnologia 5G deve abolir o uso de cabos e permitir a transmissão de canais pela internet via celular.

A velocidade da rede é o grande atrativo da quinta geração. Muito superior em comparação ao 4G, ela deve facilitar ainda mais o consumo de conteúdo transmitido via streaming, algo que já vem ameaçando as TVs por assinatura há algum tempo.

Os provedores de TV por assinatura no Brasil

Com a maior fatia no mercado, a Claro lidera entre as concorrentes de TV a cabo (49%), seguida da Sky, com 30% do espaço (mas com tecnologia de satélite). Atrás de ambas estão a Vivo que, apesar de ser a operadora com maior número de clientes, detém apenas 8,7% do mercado, e a Oi, com 9,5%.

A definição quanto ao valor das outorgas – compra da concessão das frequências do 5G e de como este será organizado deverá ser estabelecido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. O valor total estimado é de R$ 20 bilhões de acordo com o conselheiro da Anatel, Vicente Aquino, mas os cálculos dependem das diretrizes do processo.

Técnicos do governo disseram à Folha de S. Paulo que a orientação é reproduzir o modelo de distribuição do 4G, o qual mesclou outorga com compromissos das empresas de levar acesso 3G à áreas menos rentáveis do país. Os leilões do 4G, realizados entre 2012 e 2014, geraram um custo de cerca de R$ 12 bilhões. Caso o mesmo padrão se confirme para o 5G, as teles afirmam que o modelo poderá trazer problemas financeiros, fato que as fariam reduzir investimentos no 4G.

Outra ameaça que incomoda as companhias que oferecem pacotes de TV fechada são os estúdios e produtores de conteúdo estrangeiro no país, que discutem no Senado um projeto de lei que regulariza a transmissão de canais de TV pela internet.

A aprovação do projeto de lei complementar, que altera o marco regulatório da telefonia – e que define a participação da Oi no leilão – é outro ponto importante para as teles, pois ao vetar pontos importantes da lei, como a que amplia a segurança financeira das teles nesta transição para o 5G, garantindo a incorporação à outorga do 5G dos bens reversíveis (equipamentos e imóveis atrelados às concessões) previstos no contrato da concessão feita em 1998 e que vencem em 2025, elas terão seu risco de crédito majorado, porque terão que arcar com os gastos não previstos para fazer o acerto de contas com a União.

 IoT, serviços avançados e Marco Civil da Internet

Com o 5G, as cidades inteligentes e a internet das coisas ficam mais próximas da realidade e cotidiano das pessoas. Por outro lado, na avaliação de técnicos da Anatel, o Marco Civil da Internet deveria ser revisado para isso acontecer. Isso porque a comunicação entre as plataformas – internet das coisas, serviços avançados (veículos teleguiados e cirurgias à distância) – para funcionarem adequadamente, será preciso privilegiar conexões no tráfego de rede, fato que fere o princípio da neutralidade previsto no marco.

Fonte: olhardigital via: Folha de S. Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Verifique também

Xiaomi Mi TV Stick será concorrente do Google Chromecast

Controle de Xiaomi Mi TV Stick terá teclas dedicadas à Netflix, Amazon Prime Video e Googl…