Depois de 77 anos, os destroços do porta-aviões USS Hornet foram finalmente encontrados. Eles estavam a mais de cinco quilômetros de profundidade nas águas do Pacífico Sul. A antiga embarcação, afundada por torpedos japoneses em 1942, em um ataque que resultou na perda de 140 homens, desempenhou um papel fundamental durante a Segunda Guerra Mundial, mais notavelmente no Ataque de Doolittle e na Batalha de Midway.

A Vulcan Inc., uma equipe de exploração financiada pelo patrimônio de Paul Allen (cofundador da Microsoft, morto em 2018)descobriu o porta-aviões americano naufragado perto das Ilhas Salomão no final de janeiro, segundo a CBS. Tripulantes a bordo do RV Petrel usaram um drone equipado com sonar em alto-mar para detectar o navio a 5.330 metros abaixo da superfície.

O USS Hornet em outubro de 1941. Imagem: Marinha dos EUA

Um veículo submerso operado remotamente (ROV, na sigla em inglês) foi então enviado para investigar melhor. Ele logo confirmou os destroços como pertencentes ao Hornet. A identificação foi possível porque a designação naval CV-8 foi encontrada. O Hornet afundou durante a Batalha das Ilhas Santa Cruz em 1942, após uma feroz luta com navios e aviões da Marinha Imperial Japonesa.

Um buraco no casco do porta-aviões. Imagem: Vulcan Inc.

Vídeos gravados pelo ROV mostraram os canhões de 5 polegadas do porta-aviões ainda apontando para cima, junto com um buraco no casco do navio. Inacreditavelmente, um rebocador ainda pode ser visto estacionado no convés — uma cena ainda mais inacreditável quando se leva em conta que o navio despencou cerca de 5,3 km antes de se instalar no fundo do mar.

Um rebocador de aeronaves International Harvester ainda permanece no convés da embarcação. Imagem: Vulcan Inc.

A descoberta do USS Hornet é um grande feito, dado o seu papel principal durante a campanha do Pacífico na Segunda Guerra Mundial. Em 18 de abril de 1942, dezesseis bombardeiros B-25 Mitchell decolaram do convés do Hornet para participar do Ataque de Doolittle — o primeiro ataque aéreo a cidades japonesas, incluindo Tóquio. Ele serviu como um grave alerta para os militares japoneses e seus civis, que presumiram incorretamente que tais ataques seriam impossíveis, dado o alcance de sua Marinha Imperial na época. Dois meses depois, o Hornet desempenhou um papel fundamental na Batalha de Midway — uma vitória decisiva para os EUA durante os primeiros estágios da campanha no Pacífico, e apenas seis meses após o chocante ataque japonês a Pearl Harbor.

O Hornet sob ataque de bombardeiros Val durante a Batalha das Ilhas de Santa Cruz. Imagem: U.S. Naval History and Heritage Command

Foi na Batalha das Ilhas de Santa Cruz no final de outubro de 1942, no entanto, que o Hornet encontraria seu fim. O navio, junto com o porta-aviões USS Enterprise, sofreu ataques implacáveis ​​de bombardeiros de mergulho e aviões torpedeiros japoneses. Uma conta da Aircraft Carrier Hornet Foundation explica o que aconteceu:

Quando o Hornet e o Enterprise estavam ao norte das Ilhas de Santa Cruz, as aeronaves de busca das forças opostas encontraram a frota principal da outra. Dentro de dez minutos, o Hornet foi atingido por quatro bombas e dois torpedos, e sofreu danos significativos de dois bombardeiros de mergulho Val [bombardeiros de mergulho japoneses Tipo 99 Aichi D3A1] que se chocaram contra ele. O porta-aviões perdeu sua capacidade de propulsão e ficou morto na água. Depois que a maioria da tripulação foi transferida do navio, uma equipe de controle de danos apagou os incêndios e consertou alguns dos danos. Mais tarde naquela tarde, ele foi atacado novamente e atingido por outro torpedo e duas bombas. Neste momento, foi abandonado e afundou no começo da manhã seguinte – um ano e sete dias depois de ter sido comissionado.

Cerca de 140 marinheiros foram mortos antes do naufrágio do navio, mas, como foram dadas ordens para abandonar o porta-aviões, 2.060 dos 2.200 marinheiros do navio foram salvos.

Este último achado da equipe de Paul Allen marca outra importante descoberta em sua missão em curso de registrar os locais dos naufrágios da Segunda Guerra Mundial no Oceano Pacífico. Missões anteriores revelaram os restos submersos do USS Juneau, do USS Lexington, do USS Indianapolis e de muitos outros.

Morto na água, o USS Hornet, abandonado, poucos momentos antes de naufragar. Imagem: U.S. Naval History and Heritage Command

“Tínhamos o Hornet na nossa lista de navios de guerra da Segunda Guerra Mundial que queríamos localizar por causa de seu lugar na história como um porta-aviões que viu muitos momentos cruciais em batalhas navais”, diz Robert Kraft, diretor de operações submarinas da Vulcan Inc., em um comunicado. “Paul Allen estava particularmente interessado em porta-aviões, então essa foi uma descoberta que honra sua memória.” Allen, co-fundador da Microsoft, morreu de câncer em outubro de 2018.

A localização exata do USS Hornet permanecerá em segredo, e o local foi designado um túmulo de guerra oficial.

Fonte: gizmod via Paul AllenCBS News

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Verifique também

Melhores especializações e dicas para Avião Bombardeiro no Battlefield V

Acredito que configurar um avião bombardeiro para ter um melhor aproveitamento é, definiti…