Eles fizeram contato com a empresa pelo Twitter, pelo Facebook, por telefone e até por fax, mas descobriram que precisariam ter uma conta de desenvolvedor para informar esse tipo de situação.

Se você é fã do FaceTime, o recurso de chat com vídeo da Apple, precisa ler isto aqui! O aplicativo tem um bug um pouco inconveniente: quem faz uma chamada em grupo pode ouvir tudo enquanto os aparelhos dos receptores ainda estão tocando. Ou seja, basta chamar para saber o que se passa do outro lado mesmo que a ligação nem seja atendida. E a Apple foi alertada sobre essa falha.

Assim que ela foi descoberta por Grant Thompson, um adolescente de Tucson, no Arizona (EUA), o garoto e sua mãe, Michele Thompson, tentaram avisar a empresa sobre o problema. Em declaração ao Wall Street Journal, Michele relata que ficou bastante frustrada por tentar ajudar a companhia a corrigir uma falha e ter dificuldade para fazê-lo. Quando perguntada sobre o caso, a porta-voz da Apple preferiu não comentar.

Michele diz que tentou todos os métodos disponíveis para falar com alguém na Apple, mas encontrou muitas barreiras. Ela e o filho fizeram contato com a empresa pelo Twitter, pelo Facebook, por telefone e até por fax, mas descobriram que precisariam ter uma conta de desenvolvedor para informar esse tipo de situação.

Seu empenho os levou até a trocar alguns e-mails com a equipe de segurança da Apple, mas a empresa só tomou uma atitude concreta quando informações sobre o bug se espalharam pelas redes sociais. Nesse ponto, a Apple desabilitou o recurso que causava o problema e prometeu apresentar uma solução ainda esta semana.

Essa falha aparece em um momento crítico para a empresa: além de ter tido uma queda significativa na venda de sua linha de iPhones, uma brecha como essa mancha a reputação da companhia, que tem buscado enfatizar seu compromisso com a privacidade dos usuários como forma de se destacar dos concorrentes.

Não se sabe quando o erro surgiu, mas ele afeta a funcionalidade Group FaceTime, que foi lançada em outubro de 2018. A falha é tão expressiva que o governador de Nova York emitiu um alerta ao consumidor — ação pouco comum da parte dele. “O bug do FaceTime é uma brecha significativa de privacidade que coloca os nova-iorquinos em risco”, disse.

Como a falha foi descoberta

Tudo ocorreu de forma acidental. Há cerca de dez dias, no domingo, 20/01, Grant iniciava uma conversa em grupo com amigos no FaceTime para falar sobre uma sessão de “Fortnite” que eles fariam mais tarde. Conforme adicionava os participantes, passava a ouvir o áudio deles, mesmo que não tivessem atendido a chamada ainda. Ele ficou surpreso: afinal, podia ouvir o que as pessoas falavam sem seu consentimento.

Grant, então, contou a situação para a mãe e eles decidiram informar a Apple sobre o erro. Desde a descoberta, a saga da dupla foi longa. Ainda no domingo, Michele publicou mensagens no Twitter e no Facebook da empresa, com a esperança de que as equipes de mídias sociais ou suporte as vissem. Depois, tentou o Twitter de Tim Cook, o CEO da companhia. Na terça, ela enviou uma mensagem por fax e ligou diretamente para a fabricante.

Quando conseguiu contato com a equipe de suporte — que telefonou para ela em resposta às mensagens enviadas —, o atendente não tinha informações sobre a falha. E mais: disse que não podia fazer nada sobre o problema e que era necessário que ela se registrasse como desenvolvedora para ser capaz de enviar o comunicado sobre a brecha de privacidade.

Michele, que é advogada, então se registrou como desenvolvedora para participar do Apple’s Bug Reporter Program. Desde 2016, a Apple oferece prêmios em dinheiro para quem descobre bugs significativos — Michele espera obter um bônus para Grant, mas ainda não sabe se ele será oferecido pela companhia. Aparentemente, no entanto, as equipes de mídias sociais e suporte não são integradas nesse processo.

A equipe de segurança da Apple entrou em contato com Michele na quarta-feira passada, 23/01, e ela enviou, dois dias depois, uma descrição da falha e o link para um vídeo em que ela e Grant demonstram como o bug aparece.

Apenas três dias depois, anteontem, a empresa desabilitou a funcionalidade — depois que ela se tornou pública pelas redes sociais. Especialistas em segurança recomendam que os usuários desabilitem o FaceTime até que a companhia tenha um patch para corrigir o problema (a Apple informou que deve apresentá-lo ainda esta semana).

Fonte: olhardigital

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Leia também

Banco Central autoriza transferências bancárias pelo WhatsApp

Permissões possibilitam que aplicativo de mensagens seja usado para envio de recursos entr…