O governo dos Estados Unidos proibiu a utilização de softwares da Kaspersky em órgãos federais. A justificativa era que a companhia estaria trabalhando com o governo russo para fazer espionagem. Agora, a Kaspersky entrou com um processo na justiça para tentar reverter a decisão.

A Kaspersky nega qualquer relação com a suspeita de que hackers ligados ao governo russo teriam se aproveitado de uma brecha em um antivírus da companhia para espionar um funcionário da NSA e capturar dados sigilosos. A empresa alega que o vazamento ocorreu porque o funcionário utilizou um software pirata; e abriu um programa para permitir que os governos revisem o código-fonte dos softwares.

Ainda assim, Donald Trump assinou o decreto que bane os softwares da Kaspersky no governo americano. Os principais órgãos públicos já migraram para ferramentas de segurança de outras companhias. Além disso, lojas como Best Buy e Staples removeram os produtos da Kaspersky das prateleiras. Como resultado, a Kaspersky fechou seu escritório na capital federal Washington.

Os russos alegam que “a Kaspersky Lab não teve uma oportunidade justa para se defender das acusações e nenhuma evidência técnica foi dada para validar as ações do DHS [Departamento de Segurança Interna]”. Além disso, o governo americano teria “prejudicado a reputação e as operações comerciais sem qualquer evidência de irregularidades”. Por isso, “é do interesse da Kaspersky Lab se defender nesse assunto”.

Não está fácil.

Fonte: tecnoblog via cnet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Verifique também

YouTube lança plataforma de vídeos curtos para competir com TikTok

Em fase de testes, YouTube Shorts está disponível somente para usuários de Android na Índi…