A bitcoin tem se tornado um assunto cada vez mais interessante. Seja pelos ganhos potenciais com a especulação, uma vez que a moeda tem se valorizado em ritmos absurdos, seja pelo potencial de transformação no modo como o dinheiro circula pelo mundo. O que muita gente não lembra é que, por trás de todo esse ecossistema, existem as minas que fazem tudo isso funcionar de forma segura.

De uma forma resumida, a bitcoin funciona em um sistema de verificação distribuída. Cada transação é analisada por uma rede descentralizada de computadores que, como recompensa pela função, acabam recebendo bitcoins. A partir desse conceito nascem as minas, que, na prática, são grandes datacenters, com computadores de alto desempenho trabalhando pesado para sustentar o ecossistema bitcoin e, obviamente, faturar alto com isso.

O New York Times teve a oportunidade de conhecer uma dessas minas de pertinho. Na região chamada de Zona de Desenvolvimento Econômico de Dalad, na área da Mongólia Interior da China, em meio a várias fábricas e indústrias, existe a Bitmain, que ocupa oito galpões repletos com 25 mil computadores trabalhando para obter bitcoins. Estima-se que a empresa produza 1 em cada 20 bitcoins mineradas por dia, em um faturamento que supera os US$ 300 mil por dia.

O curioso é que, desta forma, a bitcoin começou a gerar empregos. Cerca de 50 funcionários passam o dia inteiro andando pelos longos corredores, entre os computadores da Bitmain, com um laptop na mão procurando por problemas e verificando cabos. De tempos em tempos eles enchem de água alguns reservatórios que têm como objetivo resfriar o equipamento e impedir que eles superaqueçam, derretam e, pior, provoquem um incêndio. Algumas centenas de ventiladores colaboram para evitar uma tragédia.

Se a bitcoin continuar a tendência de crescimento e valorização, a tendência é que mineradoras como a Bitmain cresçam e passem a empregar ainda mais pessoas. Wang Wei, gerante das instalações da Bitmain em Dalad Banner, afirma ao NYT que acredita que “no futuro, a função pode trazer centenas ou talvez até milhares de empregos, como nas grandes fábricas”.

A situação da Bitmain também ajuda a explicar a contraditória situação da bitcoin na China. O governo pretende banir todas as corretoras que operam no país, tornando dificílimo para os cidadãos chineses adquirirem e realizarem negócios com a moeda. Ao mesmo tempo, o país oferece energia mais barata para a mineração da bitcoin, tornando-se um polo na produção da criptomoeda, abatendo o principal custo de produção.

Fonte: olhardigital

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Leia também

China proíbe menores de 18 anos de jogar videogame por mais de 3h semanais.

Jovens chineses só podem jogar aos finais de semana e feriados, entre 20h e 21h, e precisa…