Endividada até o pescoço, a Nextel Brasil só tem uma saída para a sua história não ter um desfecho trágico: vender as suas operações. Esse processo já começou. Nesta terça-feira (6), a NII Holdings anunciou um acordo no valor de US$ 200 milhões que fará o grupo escandinavo AINMT assumir o controle da operadora.

A NII Holdings é a controladora atual da Nextel. Após o último balanço, divulgado em maio, a companhia alertou acionistas e o mercado sobre o ano difícil que a operadora está enfrentando, de um lado por conta da crise econômica e política do Brasil, do outro, devido ao número cada vez menor de usuários adeptos da iDEN, a rede com tecnologia de rádio digital oferecida pela Nextel.

Na ocasião, a NII Holdings deixou claro que, se não recebesse aportes ou conseguisse renegociar dívidas, a Nextel teria grandes chances de dar calote. Mas, com o recente acordo, a operadora ganha fôlego para tentar reestruturar as operações.

Vai ser assim: a AINMT, que já opera na Dinamarca, Suécia e Noruega com a marca Ice, fará um investimento inicial de US$ 50 milhões e, assim, assumirá uma fatia de 30% da Nextel Holdings, subsidiária da NII Holdings que controla a operadora.

Depois disso, a AINMT terá a opção de investir mais US$ 150 milhões na Nextel. Se fizer isso, a companhia passará a deter 60% de participação na Nextel Holdings, ficando os 40% restantes com a NII Holdings. Note que, com essa proporção, a AINMT terá controle majoritário da Nextel.

O grupo escandinavo tem até 15 de novembro para executar o aporte adicional. Se isso for feito, as partes envolvidas terão que concluir o repasse da participação de 60% até o final de janeiro de 2018.

Não é um negócio simples. A conclusão dependerá de vários fatores, incluindo aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), aval de acionistas e renegociação de dívidas, que não são poucas: a Nextel encerrou 2016 devendo US$ 756 milhões.

Atualmente, a maior base de clientes da operadora está concentrada no eixo Rio-São Paulo. Para as demais partes do Brasil a companhia depende da infraestrutura da Vivo. Com a chegada da AINMT, a Nextel alimenta não só a esperança de tirar a corda do pescoço como também a de atuar com rede própria em outras localidades.

A expectativa de crescimento da Nextel junto com a intenção de marcar presença no Brasil pode explicar o interesse da AINMT pelo negócio. A venda parcial ou total da operadora é esperada há algum tempo, mas havia a crença de que a oferta viria da Claro, TIM ou Vivo. Nesse sentido, a negociação com a AINMT é uma grande surpresa.

Uma surpresa positiva, é verdade, mas só até certo ponto. O buraco em que a Nextel se meteu é tão fundo que os US$ 200 milhões só darão um alívio mesmo. Provavelmente, a companhia precisará de outro aporte generoso no futuro. Isso pode resultar na sua venda total.

Fonte: tecnoblog via Valor, Estadão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Leia também

China proíbe menores de 18 anos de jogar videogame por mais de 3h semanais.

Jovens chineses só podem jogar aos finais de semana e feriados, entre 20h e 21h, e precisa…