A greve que mantém bancários paralisados por todo o país há mais de dez dias tem como um de seus objetivos forçar os bancos a repensar os modelos de agências digitais, uma opção que tem ganhado força entre os clientes devido à redução — às vezes a zero — das taxas de manutenção.

A categoria reclama que, embora venha embalada numa roupagem que indica revolução, as agências digitais são basicamente centrais de atendimento com funções bancárias, o que moveu parte das operações para outro tipo de ambiente.

“A agência digital foi criada e vendida como algo revolucionário, visionário e foi entregue um telemarketing ativo e receptivo de oito horas”, diz um funcionário do Itaú ouvido de forma anônima pelo Sindicado dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região.

“O resultado é catastrófico. Os clientes ficaram sem atendimento nas agências convencionais e os funcionários perderam muito em respeito, vida, saúde e carreira. São operadores de telemarketing trabalhando oito horas com headset e ai de quem levantar para conversar, ir ao banheiro ou tomar água. São monitorados e devem ficar logados o tempo todo.”

A pauta específica de reivindicações inclui jornada de 25 horas semanais, de segunda a sexta-feira, carga de trabalho equivalente à dos funcionários de agências físicas, priorização do pessoal do banco antes da abertura das vagas para trabalhadores terceirizados, e mais cuidado com o remanejamento de pessoal entre agências físicas e digitais, além de disponibilização gratuita de equipamento de trabalho.

O sindicato chama atenção ainda para a falta de acesso ao ambiente em que estão lotados os bancários das agências digitais. “A lista de desrespeitos que os funcionários denunciam ao sindicato é extensa, por isso a pauta de reivindicações da Campanha Nacional 2016 inclui cláusulas para melhorar as condições de trabalho nesses locais, onde o acesso de dirigentes sindicais é absurdamente proibido”, relata Ivone Silva, secretária-geral do sindicato.

A forma como as reivindicações vêm sendo apresentadas à sociedade, entretanto, tem prejudicado a imagem dos bancários junto à população. É possível encontrar pelas redes sociais reclamações sobre o fato de que as agências digitais estão sendo apontadas como vilãs. Essa insatisfação ocorre porque o modelo de negócios é mais barato e menos burocratizado que o tradicional, dois fatores que o fizeram cair nas graças dos clientes.

http://twitter.com/jhoonb/status/776488754617999360?ref_src=twsrc%5Etfw

Fonte:  olhardigital

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Verifique também

Donald Trump assina decreto para limitar proteção a redes sociais

Trump acusou o Twitter de tomar ‘decisões editoriais’ e de ser ‘politica…