O brasileiro Hugo Barra, ex-vice-presidente do Android no Google e atual vice-presidente internacional da Xiaomi, explicou em uma entrevista ao TechCrunch como a fabricante de smartphones consegue manter os preços de seus produtos abaixo da média de concorrentes como Samsung e Apple.

Segundo Barra, para tornar isso possível, a empresa combina um pequeno portfólio de aparelhos (são duas famílias de celulares) com a estratégia de um longo ciclo de venda de cada modelo.

A maioria dos smartphones da Xiaomi permanecem no mercado por um período de 18 a 24 meses, passando por três ou até quatro cortes de peços. O Mi 2 e o Mi2s, que são, essencialmente, o mesmo produto, são bons exemplos disso: os gadgets estiveram à venda ao longo de 26 meses. Outro caso de relativamente longo intervalo de renovação de linha de produtos é o Redmi 1, lançado em setembro de 2013, que ganhou sua segunda edição 16 meses depois, o Redmi 2.

Barra explica que isso é importante para que a Xiaomi consiga contratos melhores com a sua cadeia de fornecedores, já que precisará dos componentes vendidos por elas por um tempo acima da média.

A Sony, por exemplo, renova sua linha de smartphones e tablets semestralmente, enquanto a Samsung lança diversas linhas de produtos que nem sempre sobrevivem.

‘A razão pela qual nós cortamos os preços dos aparelhos é porque nós conseguimos negociar cortes de custos de componentes [com nossos fornecedores] ao longo do tempo, o que acada nos deixando com uma margem maior do que gostaríamos de ter, então, reduzimos os preços’, disse Barra.

‘A maioria dos componentes [nos nossos dispositivos] ainda são os mesmos, então, em termos de fornecimento e fontes de componentes, estamos com os mesmos contratos que tínhamos com o Redmi 1, o que significa que estamos conseguindo os mesmos descontos nos componentes’, declarou o vice-presidente global da Xiaomi.

Xiaomi-logo

No ano passado, a Xiaomi ultrapassou a Samsung e tornou-se a empresa que mais vende smartphones na China, um dos maiores mercados do mundo. A fabricante vendeu 61 milhões de aparelhos em 2014.

A Xiaomi deve chegar ao mercado brasileiro neste ano e o smartphone Redmi Note foi recentemente homologado pela Anatel.

Deve ser por isso que no 2° semestre do ano passado, a empresa chinesa obteve crescimento de 240% em relação ao mesmo período de 2013, totalizando 15 milhões de aparelhos comercializados no país. Já a Samsung foi de 15,5 milhões de vendas, no ano passado, para 13,2 milhões em 2014, queda de 15%.

A Xiomi (lê-se Xáomi), que já manifestou interesse em trazer seus produtos para o Brasil, é a quinta maior fabricante de smartphones no mundo e tem fama de oferecer aparelhos bons e baratos. Seu modelo top de linha, o Mi 4, é vendido a US$ 320, e recentemente foi alvo de polêmica por ser parecido com o iPhone 5s.

Seria um bom sinal? Será que alguém tem coragem de comprar um “XIAOMI”?

Fonte 1: http://info.abril.com.br/noticias/mercado/2015/01/hugo-barra-explica-como-xiaomi-mantem-precos-de-smartphones-baixos.shtml

Fonte 2: http://olhardigital.uol.com.br/pro/noticia/xiaomi-ultrapassa-samsung-na-china-em-venda-de-smartphones/43421

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Leia também

Demanda por GPUs para mineração de Ethereum caiu, segundo fabricante ASRock

Repressão no mercado chinês está sendo sentido O crash das criptomoedas em maio e a repres…