A Electronic Arts publicou o relatório sobre o terceiro quadrimestre do ano fiscal da empresa, que terminou em 31 de dezembro de 2013. A receita líquida obtida foi de US$ 808 milhões – um número que não é baixo, mas que representa uma queda significativa, já que a desenvolvedora arrecadou US$ 922 milhões no mesmo período de 2012.

Com isso, a renda obtida durante os doze meses de 2013 também caiu para US$ 3,66 bilhões, em comparação com US$ 3,96 do relatório anterior. Outro ponto negativo notável é a venda de “discos físicos e outros produtos”: US$ 370 milhões, contra US$ 568 milhões de 2012.  Resultado positivo concreto foi visto apenas em vendas digitais, que subiram para US$ 410 milhões. A EA alega ainda que conquistou “forte comercialização de títulos de consoles de nova geração”, apesar de “fraqueza na atual geração de softwares”.

Apesar de tudo, dezembro foi um grande mês para a empresa: FIFA 14 e Battlefield 4 foram dois dos três jogos mais vendidos no ocidente, sendo que o game de futebol foi o líder na Europa.

Futuro promissor

Se parece ter desapontado desta vez, a empresa promete no próximo ano fiscal, com os novos consoles mais popularizados. “O terceiro quadrimestre marcou uma geração excitante de jogos e estamos orgulhosos por sermos a desenvolvedora número um de dezembro nesses consoles, com milhões de jogadores com títulos da EA no PS4 e no Xbox One”, disse o CEO Andrew Wilson em um discurso sobre os dados.

Ele ainda aposta em jogos digitais, cujas vendas crescem a cada quadrimestre, especialmente com os DLCs, e em títulos mobile, que foram baixados 71 milhões de vezes nesse período. Isso sem contar a série Ultimate Team de FIFA, MAdden NFL e NHL, que cresceram 60% em 2013 e devem continuar populares.

Fonte:baixakijogos via news.ea.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Leia também

WhatsApp vai te espionar? Confira mudanças que valerão a partir de fevereiro

Pouca coisa muda na prática, já que aplicativos populares como Instagram ou Facebook já co…