No dia primeiro de maio deste ano, o jornalista norte-americano Paul Miller ressuscitou; e essa história não tem nada a ver com milagres. Na verdade, ele nasceu de novo digitalmente. No ano passado, Paul encarou o desafio de simplesmente se desconectar – passou um ano offline, sem qualquer acesso à internet.

Durante os 365 dias longe da web, Paul continuou trabalhando, escrevendo principalmente sobre sua experiência no mundinho desconectado. Em alguns momentos, relatou euforia, afinal, sentia-se livre, sem sequer o “chato” do smartphone para incomodar com atualizações o tempo todo; ele conseguia administrar melhor seu tempo e chegou até a melhorar seu desempenho na leitura.

Por outro lado, Paul perdeu contato com muita gente e deixou de ser relevante para as pessoas. Descobriu que sem internet é mais difícil encontrar pessoas. Chegou a ficar deprimido e quase sem vida social. No final das contas, sua principal conclusão foi de que não é o meio – neste caso a internet – que está errado, mas sim a nossa relação com ela; a forma que a usamos.

Sem qualquer inspiração no americano, o brasileiro Guilherme Valadares – também jornalista – abdicou não da internet como um todo, mas da maior rede social online: o Facebook. Apesar de trabalhar com web, ele descobriu que a rede social não era essencial para sua vida e, pior: ele estava ficando viciado na plataforma. Para completar, havia sensação de que a maior parte de toda aquela informação era totalmente desnecessária.

“Essa percepçãpo de muita web e de muita perda de tempo me fizeram cansar, e e aí resolvi ‘matar ‘o Facebook”, diz Guilherme Valadares, diretor de conteúdo do Papo de Homem.

Gulherme não vê o Facebook como algo maléfico ou ruim, mas assim como Paul Miller, acredita que o maior problema está na forma como nós usamos a rede social.

Difícil negar e quem conhece sabe. Qualquer um fica meio atordoado com a avalanche de informações novas cada vez que a acessa o Facebook. A possibilidade de bisbilhotar a vida alheia sem que ninguém saiba também é bastante atraente para muita gente. E isso tudo é viciante. Pesquisas recentes dão conta que um em cada três usuários do Facebook mantém uma relação de vício com a plataforma.

“Quando todo mundo está viciado, ninguém percebe. É como se estivéssemos em uma casa, com todo mundo louco, e ninguém percebe”, compara.

Outra coincidência com Miller é que Guilherme também perdeu contato com muita gente, mas ele acredita que essas pessoas que “sumiram” não faziam grande diferença em sua vida. O outro lado da moeda é que, desconectando da rede social, ele intensificou o contato com os amigos mais próximos e não só virtualmente.

Prestes a completar um ano que assassinou seu perfil no Facebook, Guilherme se diz totalmente aberto a voltar para a rede social algum dia. “Só não gostaria que me sugasse em vez de me catapultar”, afirma.

Sem querer ser chato ou xiita, Guilherme não incentiva ninguém a sair do Facebook ou qualquer outro serviço online; muito menos da internet. No entanto, diz que a maioria das pessoas que conhece sente que gasta mais tempo do que gostaria com redes sociais. E se tivesse que dar um empurrãozinho…

“Se algém me procurasse, diria: desliga logo e vê como é. Não é tão dolorido. Quando se tem um corte muito abrupto, realça muito o que se busca, que é ter um outro olhar sobre sua presença social”, diz.

O próprio Facebook tem uma ferramenta para que você não precise pensar muito caso queira arriscar. Quando você desativa seu perfil na rede social pela primeira vez, ele não é apagado. Existe um mecanismo que mantém todas suas informações e configurações intactas por até duas semanas; é o tempo que eles te dão caso você decida mudar de ideia.

E você, o que acha das decisões de Miller e Guilherme? Concorda que perdemos muito tempo em redes sociais? Será que errada mesmo é a maneira que utilizamos a internet e também as redes sociais? Participe, deixe suas opiniões nos comentários… e caso tome alguma decisão mais drástica, conte pra gente… Ah, em inglês, disponibilizamos também o link com a história do Paul Miller; acesse e confira.

Fonte: olhardigital

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Verifique também

YouTube lança plataforma de vídeos curtos para competir com TikTok

Em fase de testes, YouTube Shorts está disponível somente para usuários de Android na Índi…