Uso de laser, além do magnetismo, aumenta densidade da gravação de dados

Em parceria com a Seagate, a companhia TDK está desenvolvendo um método de armazenamento de dados que pode aumentar a capacidade dos discos rígidos do futuro. A ideia é obter HDs de 30 TB ou 40 TB até 2020.

O segredo da técnica é usar um laser extremamente fino para aumentar por pouco tempo a temperatura de determinados locais do componente, além do já comum uso do magnetismo. Com isso, a densidade de gravação do HD aumenta consideravelmente, e é possível gravar ainda mais dados no disco.

HD_Hard_disk_head_crash

Como funciona?

No novo sistema, a coercitividade do meio, que é a quantidade de campo magnético reverso necessário para mudar o valor do dado armazenado, é temporariamente reduzida quando esse local é esquentado com um laser, o que habilita a “escrita”.

É necessária uma precisão absurda no foco do feixe, algo que a TDK conseguiu na nova técnica, que usa um laser que mede poucas dezenas de nanômetros (muito menos do que o usado na produção de um Blu-ray, por exemplo). Normalmente, ao esquentar um HD áreas erradas podem ser atingidas durante a escrita e dados importantes acabariam perdidos.

Nos discos rígidos com a técnica usada hoje em dia, a capacidade máxima atingida é de 3 TB. Como os testes provam que o processo já é uma realidade, a ideia é utilizar a tecnologia de aumento de temperatura comercialmente até 2015.

Fonte: tecmundo via DigInfo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Verifique também

YouTube lança plataforma de vídeos curtos para competir com TikTok

Em fase de testes, YouTube Shorts está disponível somente para usuários de Android na Índi…