Phil Schiller, vice-presidente sênior de marketing da Apple, investiu alguns segundos num ataque à rival Samsung hoje. Em sua conta no Twitter, ele compartilhou um artigo que afirma que o smartphone Galaxy Note 3 foi preparado para enganar os programas de teste usados para avaliar esses aparelhos.

Schiller escreveu “shenanigans“ (cambalacho). Na sequência, compartilhou um link para um artigo no blog Ars Technica com o título “’Ajustes’ para benchmarking no Galaxy Note 3 inflam pontuação em até 20%”.

Ron Amadeo, o autor do artigo, diz que desconfiou do fato de os resultados de testes do Galaxy Note 3 serem superiores aos do LG G2. Ambos possuem processador Snapdragon 800, da Qualcomm, trabalhando a 2,3 GHz. Era de se esperar que os resultados fossem parecidos.

Amadeo diz que investigou essa discrepância e concluiu “com segurança” que a Samsung implantou, no Galaxy Note 3, um modo especial, de alta potência, que só é acionado quando se rodam programas de teste.

Se a Samsung deixasse esse modo turbo funcionar com todos os aplicativos, a carga da bateria se esgotaria rapidamente. O truque é fazer com que o modo turbo seja acionado apenas durante os testes de velocidade.

Amadeo afirma que conseguiu desabilitar esse modo turbinado. Comparando os resultados com e sem o turbo, ele observou que o truque faz o Galaxy Note 3 parecer até 20% mais veloz do que é na realidade.

O Ars Technica costuma ser um blog confiável. E os argumentos técnicos de Amadeo parecem sólidos. Além disso, a Samsung tem antecedentes.

Samsung-vs-Apple

Na época do lançamento do Galaxy S4, o Anandtech, outro blog especializado, descobriu que a empresa havia usado um truque parecido, aparentemente com o objetivo de inflar resultados de testes do smartphone.

A Samsung, então, respondeu que seu processador de fato podia trabalhar no modo mais veloz. Mas disse que a velocidade era reduzida ao rodar determinados jogos para evitar sobrecarga. A empresa negou que a intenção fosse trapacear nos testes.

Apesar de esses truques serem condenáveis, o episódio não tem muita importância para o consumidor, Não há muita gente que compra smartphones para rodar programas de teste. E pessoas que experimentaram o Galaxy Note 3 relatam que ele é muito rápido no uso prático (alguns diriam que é tão rápido quanto o LG G2).

Logo, não há de que reclamar sobre o desempenho do smartphone da Samsung. Amadeu observa que, mesmo sem o modo turbo, o Galaxy Note 3 ainda é ligeiramente mais veloz que o G2.

“Se a intenção por traz do modo turbo era assegurar que o Galaxy Note 3 ficaria à frente na disputa dos benchmarks, parece que nem era necessário ter feito isso”, conclui ele.

O Ars Technica também publicou um teste com o tablet Galaxy Note 10.1, anunciado junto com o Galaxy Note 3. Segundo Jason Inofuentes, que assina o artigo, o truque de enganar benchmarks também está presente nesse tablet, ainda que de forma mais limitada.

Phil Schiller, da Apple, ainda pode se vangloriar de duas coisas. Primeiro, o iPhone 5s, com processador de 64 bits (o primeiro num smartphone), tem superado os rivais em testes de desempenho. Segundo, a Apple nunca foi acusada de trapacear nesses testes.

Fonte: info.abril

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Verifique também

YouTube lança plataforma de vídeos curtos para competir com TikTok

Em fase de testes, YouTube Shorts está disponível somente para usuários de Android na Índi…