Carlos Costa, diretor de Marketing e sócio da TelexFREE: Tribunal de Justiça do Acre não vê risco de prisão e negou habeas corpus preventivo

O Tribunal de Justiça do Acre negou habeas corpus preventivo a Carlos Costa, um dos sócios da TelexFREE. O recurso pedido garantiria que ele não fosse detido caso tivesse a prisão decretada por algum órgão judicial.

A defesa de Carlos Costa havia entrado com o pedido no dia 5 de agosto. A decisão do tribunal, tornada pública hoje, saiu dois dias depois.

No começo do mês, a Polícia Civil do Acre reabriu inquérito policial que investiga as atividades da empresa.

SONY DSC

Em sua decisão, o desembargador Francisco Djalma, do TJ-AC, afirmou não detectar ameaças à liberdade de Costa.

“Não há como se atender ao benefício requerido, considerando que a concessão de liminar somente será possível quando de fato houver ameaça à liberdade de locomoção, isto é, sempre que fundado for o receio de o paciente ser preso ilegalmente”, escreveu.

O pedido preventivo do sócio e diretor de Marketing da TelexFREE, Carlos Costa, corre em paralelo aos recursos da própria empresa no Tribunal de Justiça. Nesta semana, o 10º foi negado.

Desde o dia 18 de junho, a TelexFREE está com os bens bloqueados, estando proibida de comercializar produtos, agregar vendedores à rede e mesmo pagar aos que já tem. Ela é acusada pelo Ministério Público de praticar pirâmide financeira.

EXAME.com aguarda retorno da defesa da empresa sobre a decisão da justiça do Acre. Assim que houver uma resposta, esta matéria será atualizada.

Fonte: info.abril e tjac.jus.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Leia também

Dragão, supercomputador da Petrobras com 200 TB de RAM, inicia operações

Petrobras inicia operações de seu novo supercomputador Dragão; máquina será destinada a pr…