Armas de fogo, no Brasil, têm menos tributação do que videogames. Assim como champanhe, caipirinha, xilofone, cachimbo, colar havaiano (?) e máscara de lantejoulas (??).

“O que é considerado essencial ou não são conceitos subjetivos, e a decisão está nas mãos do legislador”, diz João Eloi, presidente da IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário). “Por isso não agrada todo mundo, cada um tem sua própria percepção de importância”, completa Eloi.

Ele aponta ainda outro problema na aplicação de tributos: “o sistema é velho e ultrapassado em relação à alguns itens. Caneta esferográfica, por exemplo, tem mais de 25% do valor de impostos, o que é um absurdo, pois trata-se de um item essencial em vários setores da nossa sociedade.”

O executivo defende uma revisão geral na tributação de produtos. “É preciso rever o que é importante ou não, pois os usos e as características dos produtos mudam. O videogame mesmo não é o que era há anos.”

 

Editoria de arte/Folhapress

fonte: http://www1.folha.uol.com.br/tec/2013/07/1304317-videogames-sao-mais-tributados-do-que-revolveres.shtml

Um comentário

  1. [COBRA] Kampas

    1 de julho de 2013 em 18:00

    … e durma com esse barulho

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Verifique também

Novas placas de vídeo da AMD são mais baratas e batem de frente com a Nvidia

A AMD deu um grande show ao revelar todos os detalhes sobre seus novos processadores no in…