mapa-meteorito-20130219170726

meteorito que atingiu o território russo na sexta-feira (15) deixou a população mundial com medo. Porém, meteoritos invadem a atmosfera terrestre com uma frequência maior do que se imagina. Uma prova disto está no mapa que mostra os impactos registrados desde 2.300 a.C.

Meteoritos são objetos compostos de rocha e metal que podem se desprender de corpos do sistema solar, viajar pelo espaço e cair na superfície terrestre. Muitas vezes, esses objetos celestes são tão pequenos que se desintegram quando entram na atmosfera terrestre.

O mapa acima foi criado por Javier de la Torre, cofundador das companhias de software Vizzuality e CartoDB. Para isso, ele usou dados da Meteorological Society. Cada círculo representa a massa de cada meteorito. Logo, quanto maior o círculo, maior o meteorito.

O mapa mostra a localização dos 34.513 pontos de impacto registrados nos últimos 4.000 anos. Ele representa apenas uma fração dos impactos, já que zonas sem habitantes e o oceano não foram contabilizados.

Vale lembrar que o meteorito que caiu na região de Tcheliabinsk, nos Montes Urais, pesava 10 toneladas. Ele explodiu antes de alcançar o solo por causa do enorme calor gerado pela compressão do ar na frente do corpo celeste. Este fenômeno é conhecido como bólido ou explosão aérea. A grande explosão fez celulares pararem de funcionar e janelas se estilhaçarem quando o meteorito explodiu, deixando cerca de 1000 pessoas feridas.

Ao acessar o mapa completo, é possível clicar nos círculos espalhados pelo mapa. Assim, o usuário pode saber mais detalhes sobre cada impacto, qual o tipo do meteorito, a massa dele, quando ele caiu na Terra e se seus fragmentos foram encontrados.

Fonte: info.abril

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Leia também

Bitcoin: homem perde senha e tem duas chances de acesso a conta com R$ 1 bi

Stefan Thomas, um programador alemão, revelou que tem apenas mais duas tentativas de acess…