O Google Fiber, projeto de acesso à internet banda larga de alta velocidade através de cabos de fibra óptica, foi apresentado em um evento realizado em Kansas City, nos Estados Unidos, e transmitido ao vivo pela conta do Google no YouTube. Além do acesso à internet extremamente rápida, de 1 Gbps, a iniciativa inclui oferta de canais em alta definição.

“Não há necessidade de cabos, não há necessidade de lerdeza. Não haverá limite, não haverá restrições na velocidade. Estamos oferecendo uma velocidade de 1 gigabit por segundo”, disse o engenheiro Milo Medin durante o evento.

Na apresentação, foram comparados o aumento na qualidade dos computadores e na capacidade de armazenamento com a velocidade da internet – que apresenta uma evolução muito menos expressiva. Com o Google Fiber, a companhia oferece uma velocidade cem vezes maior que as conexões típicas disponíveis ao público americano atualmente. Os planos são oferecidos por a partir de US$ 70 mensais.

O Google anunciou seus planos de construção de uma rede de banda larga de altíssima velocidade em fevereiro de 2010. Desde então, diversas cidades se candidataram para receber o projeto. Em março deste ano, Kansas City foi anunciada como o primeiro local para o Google Fiber. O projeto foi lançado inicialmente apenas na cidade americana e em parte de sua região metropolitana.

Google, Facebook, eBay e Amazon, entre outras grandes empresas da internet, se unem para promover a Intenet Association, um lobby que surge para pressionar os legisladores dos Estados Unidos em busca de uma internet aberta, livre e inovadora.

Diferentemente de outras iniciativas anteriores e pontuais, o lobby será permanente e estará instalado em Washington. Esta não é a primeira vez que empresas tecnologias se unem para influenciar e financiar políticos – já o haviam feito para criticar os projetos de lei SOPA e PIPA. No entanto, é a primeira vez que o grupo de pressão se instala permanentemente na capital norte-americana.

Como é obrigatório, as empresas devem informar publicamente os donativos a políticos, bem como o destino das doações no caso das câmaras legislativas. Ainda que cada empresa possa dar destino diferente ao dinheiro, todas coincidem em apoiar financeiramente uma reforma legislativa para facilitar e aumentar o visto de trabalho a estrangeiros e a evitar leis que aumentem a pressão fiscal sobre os artigos que se movem através dar rede, tudo englobado no conceito de “uma internet livre, aberta e inovadora.

Fonte: tecnologia e tecnologia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Verifique também

YouTube lança plataforma de vídeos curtos para competir com TikTok

Em fase de testes, YouTube Shorts está disponível somente para usuários de Android na Índi…