Imagem que circula em redes sociais brincando com os problemas que assolam "Diablo III"

Na madrugada da última terça-feira (15), muitos fãs brasileiros de “Diablo” ficaram acordados e online para acompanhar o ansiado retorno do RPG de ação após 12 longos anos de hiato. Às 4h da manhã, com o jogo devidamente comprado, baixado e instalado – viva a distribuição digital -, a Blizzard enfim liberou o acesso à “Diablo III” e… deu pau. Adivinha só? Sobrecarga nos servidores. Em todo o mundo.

Em instantes, mensagens de erro numeradas (37, 3003 e por aí vai) se propagaram pela internet e fizeram muita gente ir dormir frustrada. Paciência. Eventualmente “Diablo III” ficou online e, por agora, com uma instabilidade aqui e outra acolá, muita gente já está esmigalhando o mouse por Nova Tristram e seus arredores.

Ok, faz parte do jogo enfrentar instabilidades, manutenções etc. Mas isso quando se tratam de multiplayer ou MMOs. No caso de “Diablo III”, por mais louvável que seja a integração com a Battle.net – vide os saves sincronizado, combate à pirataria e a Casa de Leilões -, ainda há muitas pessoas que preferem a experiência single-player. E neste caso, se você quiser jogar “Diablo III” ao melhor estilo ‘forever alone’, ainda assim precisa estar conectado à internet.

Como bem colocou o Kotaku, “não temos mais o poder de decidir quando nosso jogo começa ou não”. E não estamos falando apenas do lado da Blizzard e de seus servidores: e se a sua conexão com a internet cair? Melhor procurar outro jogo, pois com “Diablo III” você ficará na mão. Além disso, uma conexão mais lenta pode sofrer com problemas de sincronia, lag e tudo mais, mesmo em se tratando de uma experiência single-player (!!!).

Entretanto, é inegável que este fato aponta para uma direção talvez inevitável no futuro dos jogos: a exigência de estar permanentemente conectado à internet. Quem tem boa memória talvez se lembre do lançamento de “Half-Life 2”, em 2004, que causou certa polêmica por ser o primeiro game offline a exigir uma autenticação online para funcionar – o Steam ainda era uma criança.

Agora há rumores que os próximos PlayStation e Xbox entrarão na onda e também exigirão conexão permanente à internet. No PC, com a distribuição digital, tal caminho parece inevitável: “SimCity” é um dos próximos da lista a impedir o acesso do mundo offline.

Claro que, nos dias de hoje, é impossível imaginar uma vida sem internet. Mas bloquear o single-player, ainda que embasado por argumentos convincentes, incomoda e até assusta um pouco. Basta ver que, até o momento, “Diablo III” tem enfrentado a crítica do público em sites como o Metacritic. Excluído o fator “mimimi”, é algo que não deve ser ignorado e, sobretudo, merece atenta observação no desenrolar dos fatos.

Fonte: http://jogos.uol.com.br

Um comentário

  1. COBRA_KAMPAS

    17 de maio de 2012 em 16:45

    talvez seja um período de adaptação para as empresas…

    eu não costumo jogar singleplayer… e quando não tem internet, eu jogos os jogos indi… em geral, não consigo jogar mais os singles. Lógico q tem exceções….

    Em fim, se o jogo não tem multiplayer… é provável que eu não compre….

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Verifique também

YouTube lança plataforma de vídeos curtos para competir com TikTok

Em fase de testes, YouTube Shorts está disponível somente para usuários de Android na Índi…