Depois de Street Fighter IV e depois de tudo o que se lhe seguiu, o género dos jogos de luta nas consolas de alta definição vive um bom momento e depois de tudo o que vi na E3, assim parece que vai continuar. Com novas propostas que vão desde as atuais consolas existentes nas salas de estar até consolas que ainda não saíram, como a PlayStation Vita, o género dos jogos de luta está em alta e as companhias e estúdios querem que tal continue. Os jogadores agradecem e todo este espírito que se vive em redor do género é de saudar. Para todos os amantes de Street Fighter e dos jogos de luta em geral, existe uma proposta que esteve na E3 que deixou uma marca especial e que caso nos fosse dado a escolher seria eleita como a mais interessante, Street Fighter x Tekken.

O novo produto da Capcom made by Yoshinori Ono tem uma dinâmica e vivacidade estonteante, a ponto que não queremos jogar mais nada até que finalmente chegue ao mercado. Imaginem um jogo que pega em tudo o que de bom Street Fighter IV tem, apliquem alguns ajustes para patrocinar combates mais rápidos e frenéticos, insiram personagens de uma outra grande série como Tekken, pela primeira vez num esquema 2.5D, misturem com um sistema de tag, troca de personagens a qualquer altura do combate, e têm aqui os condimentos para algo especial.

'Street Fighter x Tekken' Screenshot 1

É tanto um novo confronto como um atestado às capacidades desta equipa.

O jogo esteve presente na E3 e como não podia deixar de ser, passamos algum tempo com ele para tentar perceber como Ono e a sua equipa estão a juntar os dois universos para criar um jogo estrondoso. Dos jogos de luta presentes no evento a que tive acesso, Street Fighter x Tekken, BlazBlue II e Tekken Tag Tournament 2, o jogo da Capcom foi o que mais surpreendeu e mais me deixou entusiasmado em relação ao que pode vir a fazer no mercado. Ao ponto de me fazer acreditar que podemos vir a viver outro momento ao nível do de Street Fighter IV em 2009.

A razão é porque Street Fighter x Tekken parece pronto para uma nova injeção de adrenalina, irreverência e genialidade como poucos conseguem. Parece pronto para oferecer uma daquelas experiências únicas que apenas se tem uma vez por geração, exceto que Ono parece querer-nos dar duas numa só geração. Já o devíamos saber mas mesmo assim o jogo não nos deixou de surpreender pois a colaboração entre Katsuhiro Harada de Tekken e Yoshinori Ono, e respetivas equipas, fui muito para lá da tradicional troca de informações e já se nota que está a nascer um filho fruto de paixão e carinho.

A estrondosa dedicação dos adeptos está a ser alimentada por uma equipa de desenvolvimento empenhada em mostrar como pode respeitar ao extremo as duas séries sendo igualmente irreverente e inteligente em termos de humor e tratamento dos personagens, tanto na história como nos combates. O mais espantoso de tudo o que vimos foi que algo que parecia impensável surge agora de uma forma cuja maior valorização é sentir-se tão natural como se sempre tivesse sido assim.

Mais do que apenas colocar os personagens frente a frente para combates, misturando as duas séries e apelando ao dinheiro dos fãs, a Capcom está empenhada em dar um produto cujo valor vai ser incontestável e único. Os personagens da série Street Fighter estão a ser escolhidos não só pela sua fama entre os fãs mas também com respeito a enquadramentos na jogabilidade e das oportunidades e diversificação que podem criar e também pela história. Cada personagem vai ter um rival da série Tekken, também escolhidos a dedo por serem únicos, permitirem estilos de luta diversos e pelo potencial que a sua história e personalidade podem conferir a todo este espetáculo.

Desta forma podemos contar com todas as relações e histórias já conhecidas entre os personagens da Capcom, como a amizade/rivalidade entre Ryu e Ken por exemplo, que vão ter peso nos eventos do jogo e nas suas falas durante os combates. Por parte de Tekken podem contar que a história envolvendo a linhagem Mishima, que vai ter papel de destaque e todos os personagens estão a ser escolhidos de forma a representarem um rival a todos os níveis para um outro escolhido do outro lado da barricada.

'Street Fighter x Tekken' Screenshot 2

Todo o trabalho visual é mais familiar aos fãs da casa Street Fighter.

Nesta demonstração era possível escolher entre 14 personagens, os já anunciados. Pelo lado Capcom podíamos escolher figuras como Ryu, Ken, Chun-Li, Guile, Sagat, Abel e Cammy enquanto que do lado da série Namco Bandai estavam disponíveis Kazuya, Nina, Bob, King, Craig, Julia e Hwoarang. Na conferência da Sony foi confirmado que Cole McGrath de inFAMOUS 2 vai estar presente nas versões PlayStation 3/Vita mas não estava disponível no evento. Alguns trailers mostram indicações que Jin Kazama, Asuka Kazama e Emilie De Rochefort vão surgir no jogo mas tal não foi ainda confirmado.

Como já devem ter notado, é o motor de Street Fighter IV que dá vida a este novo jogo e tudo o que de bom nos deu vai ser elevado a novos patamares. Cores vivas e cenários ricos são alguns dos detalhes de todo um conjunto de pormenores e elementos que vão marcar este jogo da Capcom. Nestes cenários repletos de cameos, presença de figuras conhecidas ou referências a outras séries das duas companhias por todo o lado nos cenários de fundo, tudo parece ter vida e é como se uma história em si decorresse em paralelo aos combates. Esses ganham vida de forma extremamente fluida através de personagens que se movem com enorme graciosidade.

Um dos maiores e mais espantosos pontos de Street Fighter IV foram as animações e as expressões faciais dos personagens. Altamente cómicas e divertidas de ver mas que ao mesmo tempo conferiam verdadeiro dinamismo e envolvimento nos combates. Quem não adorava aplicar, por exemplo, um Metsu Shoryuken com Ryu em Super Street Fighter IV? O som dos furiosos golpes a encaixar e as expressões de Ryu e da sua vítima eram simplesmente deliciosos de ver e ouvir.

Tal vai continuar a ser um dos elementos de destaque neste novo jogo e é a prova de que o motor tem muitas formas de ser aplicado. A inserção de um esquema de combates no qual podemos trocar de personagem é altamente diferente do que Street Fighter IV nos deu e vai ao encontro do que vimos em Tekken Tag Tournament. Isto permite não só movimentos estrondosos a nível visual como também altera completamente o esquema e o equilíbrio da jogabilidade, sem contar com o ritmo de jogo muito mais alto (mais similar a Tekken).

É precisamente um dos aspetos que mais me espantou, o primeiro contacto com a jogabilidade derrubou completamente quaisquer reticências que restavam. O jogo tem um ritmo alto e o mais cativante é que se sente natural e a diversão resultante é enorme. O controlo dos personagens é igual ao de Street Fighter, não tivemos a oportunidade de experimentar o controlo alternativo para os personagens de Tekken, e se os personagens da série da Capcom estavam em casa, os jogadores de Tekken surpreendem por se sentirem tão naturais nos controlos e a jogabilidade base do produto é refrescante.

'Street Fighter x Tekken' Screenshot 3

A jogabilidade é intuitiva e imediata e prepara-se para cativar qualquer céptico.

Com um ritmo mais elevado o equilíbrio e profundidade continuam na mesma a reinar. Todos os personagens estão rápidos, alguns como Guile estão mais rápidos que o habitual e viram os seus atributos modificados para satisfazer melhor os padrões deste novo jogo. Guile, por exemplo, tem movimentos mais rápidos e combinações mais acessíveis (algo que é padrão comum a todo o elenco) mas ao mesmo tempo retém a força defensiva e os ataques de longo alcance. No entanto com movimentos tão rápidos e um ritmo elevado, já não é tão aconselhado usar a defesa pois o inimigo investe furiosamente sobre nós.

Ryu e Kazuya eram a dupla da praxe, aquela que mais cativou os fãs e mais vezes era escolhida. Rápidos e com golpes simples de aplicar mas extremamente eficazes e furiosos, permitiam um jogo bem elaborado mas de alto ritmo. Todos os personagens têm novas combinações, e iniciações aos combos bastante intuitivas e rápidas de aplicar e a partir daí é livre para “brincar” como quer. Caso o queiram, ou caso um combo seja aplicado de forma efetiva e assim o desejarem pois fica aberta uma pequena janela de tempo para isso, podem chamar o colega de equipa e continuar o espetáculo visual.

Combinar diferentes lutadores, tendo em conta os seus atributos e estilo de luta, pode ser extremamente recompensador. Claro que usar sempre a mesma equipa e aperfeiçoar o seu jogo é algo que cativa alguns mas a sensação que combinar e experimentar oferece uma experiência diversificada e a longo prazo recompensadora foi a impressão com que ficamos. A forma como os movimentos tão famosos dos personagens de Tekken surgem nesta versão também foi um dos atrativos e deixou-nos impressionados.

Utilizando Kazuya, efetuar e aplicar alguns dos seus mais famosos golpes foi tão natural quanto se podia pensar e sentiu-se como um personagem Street Fighter, como se sempre tivesse existido assim. Os combos mais poderosos de alguns jogadores surgem na forma de Ultras como visto no universo Street Fighter e usufruem da mesma aparatosa qualidade visual que todos os movimentos especiais vistos até à data nos diversos jogos da série da Capcom.

Iniciar uma grande combinação de golpes é algo fácil mas sentiu-se que existe aquela profundidade que tanto caracteriza ambas as séries, à sua maneira em cada uma. Ter diversão imediata pode ser possível, até mesmo martelar os botões o pode oferecer, mas só mesmo os mais dedicados que investirem tempo vão desfrutar a completo do jogo. Durante o tempo que passei com o jogo enfrentei alguém que já tinha passado algum tempo com o jogo e que era dedicado a Street Fighter. O que aconteceu foi que a minha curva de aprendizagem ainda nem a meio ia, falando das bases, das nuances na jogabilidade e dos ajustes feitos a toda a base de Street Fighter IV para receber Tekken e combates de 2 vs. 2, e já via alguém jogar de forma natural e a despachar combinações.

'Street Fighter x Tekken' Screenshot 4

Este não é uma simples troca de galhardetes, é o confronto que nunca se pensou ser possível.

A Capcom conquistou um espaço só seu com Street Fighter IV e algo espantoso está em germinação com a Namco Bandai, um confronto de titãs que finalmente ganha vida. Falando de jogos de luta por equipas, Street Fighter x Tekken parece ostentar irreverência e imprevisibilidade tão ou maior quanto Marvel vs. Capcom 3 mas já dá indicações de ter uma profundidade que Fate of Two Worlds nem sequer conseguiu visualizar.

A convicção que ficamos foi que este é o próximo grande título dentro dos jogos de luta e esperamos que o bom trabalho surja em grande força na sua versão final. Visualmente espantoso, é uma maravilha de ver em movimento com as suas personagens dotadas de animações surreais e cenários repletos de vida, com uma jogabilidade rápida, irreverente mas profunda, Street Fighter x Tekken já tem um espaço dentro de nós que espera pela sua chegada.

http://www.eurogamer.pt

2 Comentários

  1. [COBRA] G3

    16 de junho de 2011 em 01:40

    Já ta na lista.

    Resposta

  2. [COBRA] KABANNA

    16 de junho de 2011 em 08:53

    Fiz esse post pensando em voce G3, sabia que ia curtir|

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Verifique também

Novo iPhone pode ser lançado dia 13 de outubro, sugerem fontes.

A Apple pode estar próxima de lançar o novo iPhone 12 no dia 13 de outubro. A informação é…