Imagine inserir um cartão de memória no cérebro e dar uma de Neo em Matrix, dizendo “Whoa! Eu sei kung-fu!”. Na verdade, isto não parece tão distante assim: cientistas criaram um chip que permite a ratos aprender coisas instantaneamente. É incrível.

Depois de estudar as interações químicas que permitem o aprendizado de curto prazo e memorização nos ratos, um grupo de cientistas liderado pelo Dr. Theodore Berger – da Faculdade de Engenharia Viterbi, da University of South California – construiu um chip em forma de prótese que usa eletrodos, para melhorar e expandir a memória dos ratos. O chip consegue armazenar sinais neurais, basicamente funcionando como uma memória eletrônica, permitindo a ratos aprenderem mais e armazenarem o aprendizado nesses dispositivos.

A descrição que o Dr. Berger faz dá até um pouco de medo:

“Você liga o interruptor, e os ratos se lembram. Você o desliga, e os ratos esquecem.” (…) Estes estudos de modelagem experimental integrada mostram, pela primeira vez, que com informação suficiente sobre a codificação neural das memórias, uma prótese neural capaz de identificar e manipular, em tempo real, o processo de codificação pode restaurar e até melhorar os processos mnemônicos cognitivos.

O experimento é o seguinte: O rato precisa pressionar uma alavanca em vez de outra para receber uma recompensa. Enquanto ele aprendia a fazer isto, as mudanças no cérebro por causa do aprendizado eram capturadas através de eletrodos. A memória de curto prazo deveria virar memória de longo prazo, e o rato iria aprender de vez qual alavanca pressionar. Aí está o experimento: os cientistas bloquearam a área do cérebro que permite aos ratos gravarem o aprendizado. Dessa forma, os ratos só lembravam como pressionar a alavanca por até dez segundos – depois esqueciam.

E a prótese neural? Ela era a memória de longo prazo dos ratos: ou seja, em vez de gravar o aprendizado no cérebro, ele era gravado no chip. Quando o chip estava conectado ao rato, ele se lembrava de quais alavancas pressionar; quando desligavam o chip, o rato só tinha a memória de curto prazo.

Os experimentos da equipe, detalhados no trabalho “Uma Prótese Neural Córtica para Restaurar e Melhorar a Memória”, poderiam levar ao desenvolvimento de dispositivos que podem ajudar pessoas afetadas pelo mal de Alzheimer, derrames ou outros problemas no cérebro. Na verdade, eles já estão trabalhando no próximo passo: reproduzir o mesmo resultado em macacos.

http://www.gizmodo.com.br E [University of South California]

2 Comentários

  1. [COBRA] ZE><RO

    27 de junho de 2011 em 21:23

    Aeeeeeeeee vo deixar de ser burro. kkkkkkkkkkkk

    Resposta

  2. [COBRA] KABANNA

    28 de junho de 2011 em 09:41

    Seremos 2 entao meu amigo heheheh

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Verifique também

Menino usa caixa de sapato para fazer controle de videogame

João Pedro mora em Almirante Tamandaré, na Região Metropolitana de Curitiba. Invenção cham…